From Playtest

Noxus

“Noxus é um império poderoso com uma reputação temível. É visto como uma ameaça brutal e expansionista pelos estrangeiros, mas, por trás do exterior bélico, há uma sociedade surpreendentemente inclusiva que respeita e encoraja os talentos e as aptidões de cada indivíduo.

Os Noxii já foram uma tribo bárbara e violenta, até o momento em que invadiram a cidade antiga que, hoje em dia, fica no coração de seu domínio. Mesmo sob ameaças vindas de todos os lados, eles avançaram contra seus inimigos sem temor, expandindo o território ano a ano. A luta pela sobrevivência definiu o caráter dos noxianos modernos, um povo orgulhoso que valoriza a força acima de tudo — mas que sabe reconhecer que ela se manifesta de diversas formas.”

Qualquer um pode conquistar uma posição de poder e respeito dentro de Noxus se demonstrar a aptidão necessária, independentemente de classe social, antecedentes ou riquezas. Os indivíduos que sabem usar magia são muito respeitados, e costumam ser recrutados para que seus talentos especiais sejam aprimorados e postos a serviço do império.

Entretanto, apesar dos ideais meritocráticos, as antigas famílias nobres ainda detêm grande poder... e há quem diga que a maior ameaça a Noxus não vem de fora, mas de dentro.

Era de Tirania

Depois que a Grande Guerra Darkin deixou o mundo em ruínas muitos séculos atrás, um clã de feiticeiros foi formado, unidos pelos sussurros de uma alma morta há muito tempo que prometia dar sua força a qualquer um que o trouxesse de volta. Ele os estimulou para torná-lo mais forte do que qualquer mortal, prendendo sua forma espiritual em placas de metal escuras forjadas à semelhança de sua antiga armadura.

Esses feiticeiros sedentos de poder esperavam usá-lo como arma em suas guerras. Em vez disso, o espírito renascido os matou onde estavam, suas armas e magias inúteis contra ele. Em desespero, eles gritaram seu nome para prendê-lo, mas sem sucesso, pois Sahn-Uzal não existia mais. Com um estrondo etéreo, ele falou seu nome espiritual em ochnun: Mordekaiser.

Das almas temerosas e dissipadoras dos feiticeiros, Mordekaiser forjou sua maça brutal, Anoitecer, e assumiu o controle do exército que eles haviam criado. Mordekaiser e seus exércitos varreram as terras, esmagando e escravizando qualquer um que se opusesse ao seu governo. Para seus inimigos, parecia que ele se importava apenas com o massacre e destruição. Gerações inteiras pereceram sob suas campanhas implacáveis.

Ele ergueu o Bastião Imortal no centro de seu império, nos territórios Noxii em que suas primeiras campanhas ocorreram, secretamente esse lugar era a fonte de seu poder e guardava inúmeros segredos arcanos reunidos por séculos enquanto Mordekaiser ansiava por todo o conhecimento proibido, de espíritos e morte, e uma verdadeira compreensão dos reinos além. Para ajudá-lo em seus objetivos, o tirano criou a Rosa Negra, seu círculo íntimo de magos que foram alguns dos poucos que vieram a conhecer os segredos que ele havia reunido.

Tal tirania só poderia lhe trazer inimigos. O Revenã de Ferro foi derrotado, surpreendentemente, por uma aliança das tribos Noxii e traição de dentro de seu próprio círculo íntimo, agora liderado por LeBlanc que se aliou a Vladimir. A Rosa Negra neutralizou a fonte de seu poder, o Bastião Imortal, e conseguiu separar as âncoras de sua alma de sua armadura, selando a concha de ferro vazia em um lugar secreto.

E assim, Mordekaiser foi expulso do reino material. No entanto, sem o conhecimento de ninguém, ele havia planejado isso - na verdade, era uma parte fundamental de seu projeto. Por enquanto ele tinha todo o poder e conhecimento para construir um reino além da morte e da vida – e eventualmente retornar.

A Invasão de Ionia

Desde sua formação, os moradores de Ionia preferiram buscar a iluminação pessoal em vez de travar batalhas constantes com outras nações. A nação militarista de Noxus viu sua "fraqueza" como uma oportunidade. Os espiões noxianos começaram a negociar agressivamente com os ionianos, viajando pelas províncias para estudar suas fraquezas e identificar alvos críticos.

Não muito tempo depois, as hostes de guerra partiram para Ionia como parte da invasão noxiana há muito planejada.

A invasão começou em Navori, província central de Ionia. Muitas aldeias e assentamentos caíram, e milhares de Ionianos morreram quando seus artefatos mágicos foram roubados para prolongar a vida de seu imperador louco.

Essa agressão forçou a líder religiosa Karma, conhecida por seus ensinamentos pacíficos, a revidar. Em Navori, vozes discordantes começaram a se unir. Uma resistência estava se formando, uma que não descansaria até que Ionia estivesse livre mais uma vez.

Em um dos pontos mais importantes da guerra, um exército liderado por Jericho Swain capturou o Placídio e tomou seus defensores como reféns, na esperança de atrair os inevitáveis ​​reforços para uma armadilha, mas uma garota de 14 anos chamada Irelia desencadeou o poder das antigas danças ionianas e, através dele, o poder de própria Ionia sobre os noxianos. Uma dúzia de veteranos de Swain caíram, semeando o caos em suas fileiras quando os outros cativos se juntaram a ela, antes que Irelia derrubasse o próprio general. A visão dessa garota rebelde erguendo o braço decepado sobre a cabeça seria o ponto de virada da guerra.

A crescente resistência foi liderada por Irelia por quase 3 anos de guerra, mas como o resto de Ionia se uniu na resistência, Noxus dobrou seus esforços de guerra - crianças foram enviadas como soldados de infantaria, tentando explorar a misericórdia ioniana, e bombas Quimtec compradas de um infame alquimista zaunita bombardearam tanto os ionianos quanto os noxianos.

Essas bombas químicas tiveram efeitos horríveis nas terras. Talvez o lugar onde essas consequências sejam mais notáveis ​​seja a vila Wuju, onde rumores de um exército de um homem só chamaram a atenção dos noxianos. Em uma única noite, toda a aldeia foi destruída, seu povo e cultura obliterados pelo fogo químico. Mesmo agora, anos após o fim da guerra, nada pode crescer nesta terra e as almas daqueles que morreram naquela noite horrível ficaram presas pelas magias corrompidas de sua própria terra.

A guerra terminou quando Swain, com o poder de um demônio corvo e muitos aliados, assassinaram Boram Darkwill e estabeleceram o Trifarix. Ele retirou os exércitos das campanhas fadadas a derrota de Darkwill, terminando a guerra com Ionia. No entanto, a presença noxiana permanece, já que muitas regiões ionianas ainda estão sob domínio noxiano.

A Revolução Trifariana

Após a dispensa de Swain após a Batalha do Placídio, ele soube que a Rosa Negra ainda estava operando e manipulando as ações de Darkwill, traindo-o até a morte nos campos de batalha de Ionia. Após muitos anos de preparação e a reunião de muitos aliados, como Draven e General Du Couteau, Swain conseguiu matar o Imperador de Noxus em uma única noite, com o poder recém-descoberto de um antigo demônio no Bastião Imortal.

Chegando à capital, Darius se viu em uma posição difícil. Como Mão, muitas das casas nobres esperavam que Darius vingasse Darkwill, mas ele conhecia e respeitava muito o general Swain, e havia falado contra sua dispensa após a ofensiva fracassada em Ionia três anos antes. Os juramentos da Mão eram para Noxus, não para qualquer governante em particular, e Swain era um homem que falava honestamente de sua nova visão para o império. Darius percebeu que este era um líder que ele estava preparado para seguir... mas Swain tinha outras ideias.

Com o estabelecimento do Trifarix, três indivíduos governariam Noxus juntos, cada um incorporando um princípio de força: Visão, Poder e Astúcia. Darius aceitou de bom grado seu lugar neste conselho e prometeu levantar uma nova força de elite - a Legião Trifariana, os guerreiros mais leais e prestigiosos que o império poderia produzir - e liderar os exércitos de Noxus em uma gloriosa nova era de conquistas.

O Dogma Noxiano

Os noxianos respeitam a força acima de todas as coisas, e a única maneira de permanecer forte é ser constantemente testado. Eles apreciam a oportunidade de competir uns com os outros, já que não ser desafiado é enfraquecer, e mesmo aqueles no auge do poder devem sempre buscar novas maneiras de se desafiar... ou não permanecerão no poder por muito tempo. Não é apenas a força física ou marcial que os noxianos admiram - aqueles que demonstram experiência em política, artesanato, comércio e magia ajudam a criar uma Noxus mais forte.

Qualquer um pode prosperar em Noxus, não importa sua origem, desde que tenha força de vontade e vontade de ter sucesso. O senhor da guerra Darius é um exemplo perfeito disso, subindo do nada para se tornar um dos líderes mais poderosos do império. Apesar desse ideal meritocrático, as antigas famílias nobres ainda exercem um poder considerável no coração do império, e alguns temem que a maior ameaça a Noxus não venha de seus inimigos, mas de dentro.

Assimilando Culturas

À medida que Noxus se expande e derrota as culturas e cidades vizinhas, oferece uma escolha ao povo conquistado; jure lealdade a Noxus e seja julgado apenas pelo seu valor, ou seja destruído. Isso não é subterfúgio ou qualquer tipo de ardil; os noxianos são tão bons quanto sua palavra, e muitos que abraçaram o modo de vida de seus conquistadores têm suas perspectivas muito melhores. Mas aqueles que se recusam a dobrar o joelho são esmagados sem piedade.

Se uma cidade é tomada à força ou voluntariamente jura fidelidade a Noxus, seus artífices de guerra imediatamente começam a trabalhar para carimbar a autoridade do império sobre o território recém-adquirido. Portões de pedra escura extraídos das montanhas que cercam a capital são erguidos em todas as estradas que levam à cidade. Conhecidas em todo Valoran como Noxtoraa (porta de entrada para Noxus em Ur-Nox), essas estruturas imponentes deixam os viajantes que se aproximam sem dúvidas sobre quem detém as rédeas do poder.

Cada cidade conquistada tem um Regente designado para governar e defender a lei e autoridade noxianas.