From Playtest

Targon

“O Monte Targon é a mais imponente montanha de Runeterra; uma torre gigantesca de rochas endurecidas pelo sol em meio a uma variedade de cumes. Nada igual em escala em qualquer lugar do mundo. Localizado longe da civilização, o Monte Targon é deveras remoto e impossível de alcançar, exceto pelos exploradores mais determinados. Muitas lendas estão ligadas ao Monte Targon e, assim como qualquer lugar que pertence a um mito, é um farol para sonhadores, loucos e exploradores em busca de aventura.

Algumas almas corajosas tentam escalar a montanha impossível, talvez em busca de conhecimento ou iluminação, ou talvez atrás de glória ou para atender outro desejo da alma ao ver seu auge. A subida é quase impossível, e até mesmo para aqueles poucos que, de alguma forma, sobrevivem a chegada ao topo jamais falam sobre o que viram lá. Alguns voltam com uma assombração de olhares vazios em seus olhos, outros mudam completamente, imbuídos de um Aspecto de poder sobrenatural e que vai além da humanidade, com um destino que poucos mortais podem compreender.”

Como qualquer lugar de mito, Targon é um farol para sonhadores, loucos e aventureiros. Uma região montanhosa e escassamente habitada a oeste de Shurima, Targon possui o pico mais alto de Runeterra. Localizado longe da civilização, o Monte Targon é praticamente impossível de alcançar, exceto pelos peregrinos mais determinados, perseguindo algum desejo profundo de alcançar seu cume.

Os poucos resistentes que sobrevivem à árdua jornada até o sopé da montanha titânica encontram um céu cintilante com corpos celestes; o sol e as luas, mas também constelações, planetas, cometas de fogo que riscam a escuridão e arranjos auspiciosos de estrelas.

Eles voltam assombrados e vazios, ou mudados além de todo reconhecimento. As pessoas que vivem na base da montanha acreditam que estes sejam aspectos de seres estelares há muito desaparecidos, criaturas poderosas e antigas em uma escala além da compreensão humana. No entanto, o Monte Targon é simplesmente um caminho para o reino celestial, e seria errado atribuir muita sensibilidade, moral ou preocupações mortais ao que está além da montanha.

O Monte Targon

O Monte Targon é o pico mais alto e implacável de Runeterra, uma montanha imponente de rocha queimada pelo sol em meio a uma série de cumes incomparáveis ​​em escala em qualquer outro lugar do mundo. Localizado longe da civilização, o Monte Targon é totalmente remoto e quase impossível de alcançar, salvo pelos aventureiros mais determinados.

Muitas lendas se apegam ao Monte Targon, variando de contos de guerreiros em chamas imbuídos de poderes incríveis caindo do céu para lutar contra monstros, a contos fantásticos de deuses e suas moradas celestiais caindo para formar a montanha. Algumas lendas chegam a afirmar que a própria Montanha é um titã adormecido da antiguidade.

Aqui o viajante cansado aprende sobre as tribos, como os Rakkor, que suportaram o clima severo e as terras implacáveis ​​ao redor da montanha por milênios. Todos os povos Rakkor de Targon concordam que a vida e a magia são dádivas dos céus, e os poderes celestiais que ali residem e estão unidos em sua crença de que viver à sombra dessas estruturas ciclópicas de escala monumental é um verdadeiro chamado de poderes misteriosos.

A origem e o propósito dessas estruturas - se é que essas coisas já tiveram uma - permanecem um mistério, pois os mortais nunca podem realmente conhecer as mentes dos criadores perdidos das estruturas. Muitas religiões encontram raízes ao redor da montanha, mas todas estão em dívida com os Solari, uma fé adoradora do sol cujos princípios dominam a terra, aqueles que seguem a fé Solari tratam aqueles que reverenciam a lua - os Lunari - como hereges vis, que devem ser expulsos ou mortos.

Algumas almas corajosas tentam escalar a montanha impossível, talvez buscando sabedoria ou iluminação, talvez perseguindo a glória ou algum anseio profundo de ver seu cume. Os moradores na base do pico aplaudem quando essas bravas almas começam sua ascensão, sabendo que a montanha achará a grande maioria deles indigna. E ser julgado indigno pelo Monte Targon é morrer.

Os flancos escarpados da montanha e as condições traiçoeiras de suas altas encostas tornam incrivelmente difícil escalar. Suas rochas estão repletas de corpos contorcidos daqueles que tentaram e falharam. A subida é quase impossível, um teste exaustivo de todas as facetas da força, caráter, determinação, força de vontade e determinação de um alpinista.

Alguns alpinistas sobem por semanas ou meses, outros por apenas um dia, pois a montanha está em constante mudança. E mesmo para aqueles poucos resistentes que de alguma forma sobrevivem para chegar ao topo, o teste ainda não acabou. Alguns que abrem caminho até o cume o fazem apenas para encontrá-lo totalmente vazio, uma extensão abandonada de ruínas e esculturas desbotadas além da compreensão humana.

Para um punhado de outros, no entanto, diz-se que o cume é velado por uma cascata de luz cintilante, através da qual maravilhas e vistas distantes podem ser vislumbradas, as visões desconcertantes e tentadoras de um domínio mítico além. Apesar de atingir seu objetivo de alcançar o cume, a maioria falha neste último teste, afastando-se com medo desse reino desumano. Dos poucos que continuam, a maioria nunca retorna, enquanto outros podem reaparecer minutos, anos ou mesmo séculos depois.

Apenas uma coisa é certa - aqueles que retornam são transformados além de todo reconhecimento.

A Escalada

Os Rakkor veem a subida como um teste não apenas de força e resiliência, mas de espírito e alma, pois os alpinistas encontram visões que os distraem de sua subida. Alguns se mostram benevolentes, levando alpinistas perdidos ao caminho mais seguro durante uma tempestade de neve ou ajudando os exaustos a subir mais uma vez.

Alguns alpinistas encontram visões divinas e testes de caráter e fé. Eles podem encontrar imagens fantasmagóricas de entes queridos que devem abandonar nas encostas para continuar sua busca, ou personificações de seus medos mais profundos. Outros lutam contra bestas grotescas incrustadas em gelo com dentes de pedra afiada.

Aqueles que sobrevivem à escalada descrevem noites amargas passadas abrigando-se do frio implacável, onde afirmam testemunhar estranhas visões de figuras etéreas. Os elementos mais perigosos da escalada não são o clima, mas a maneira como ela testa o próprio caráter de cada alpinista.

Quase todos os que sobrevivem para chegar ao pico de Targon não veem nada além de um pináculo vazio e rochoso. No evento extraordinariamente raro em que os Aspectos escolhem um herói digno para atuar como seu receptáculo mortal, diz-se que o próprio ar brilha com poeira estelar quando um portal se abre no topo da montanha. Alguns dizem que o fraco fantasma de uma cidade brilhante de prata e ouro é apenas visível além do véu, e a luz divina brilha em cores vivas e brilhantes enquanto um ser celestial desce de Targon.

Os Aspectos

Os Aspectos são seres estelares que vivem além dos reinos físico e espiritual de Runeterra no reino cósmico de Targon. Esses seres incorporam conceitos e magias celestes. Eles são capazes de se fundir com os mortais, ascendê-los, tornando-os seus hospedeiros com os quais são capazes de atravessar e/ ou interagir com o plano mortal com relativa eficiência.

Como criadores de todas as Hostes de Aspectos e dos Deuses-Guerreiros, os Aspectos moldaram o destino do mundo em eras passadas.

O Povo Rakkor

Um nome que se acredita-se significar “a Tribo do Último Sol”, as tribos Rakkor possuem muitos artesãos e comerciantes habilidosos - no entanto, eles tendem a valorizar uma vida simples de humildade e oração aos céus.

Ganhando a vida com plantas da montanha e seus preciosos rebanhos, a tribo Rakkor vive nos limites da resistência humana, aprimorando suas habilidades de guerreiro para lutar a guerra no fim do mundo. Seu povo acredita que muitos mundos existiram antes deste, cada um dos quais foi destruído por uma grande catástrofe. Seus videntes ensinam que quando este sol for destruído não haverá mais, então seus guerreiros devem estar prontos para lutar contra aqueles que procuram extinguir sua luz.

Os sacerdotes Rakkor ensinam que quando seu sol for destruído, tudo diminuirá na escuridão, então seus guerreiros devem estar prontos para lutar contra aqueles que procuram extinguir sua luz. Para os Rakkor, a batalha é um ato de devoção, uma oferenda para manter a luz do sol brilhando. Espera-se que todos os membros da tribo lutem e matem sem piedade ou hesitação. Os guerreiros Rakkor são treinados não apenas para serem tão letais com as próprias mãos quanto os artistas marciais mais capazes, mas também para empunhar ferozmente as muitas armas relíquias da tribo.

Enquanto quase todos os Rakkor adoram o sol, aqueles que dedicam suas vidas à religião são conhecidos como Solari. Aqueles conhecidos como Lunari adoram secretamente a luz da lua. Eles mantêm suas crenças escondidas dos Solari, que os superam em número e os vêem como hereges perigosos.

Sol e Lua

Como a seita religiosa dominante no Monte Targon, os Solari acreditam que o sol é a fonte de toda a vida – todas as outras fontes de luz são falsas e uma ameaça ao futuro de seu povo. Os discípulos são guiados nas restrições de sua fé pelos sacerdotes do templo.

Os Ra'Horak - um título Rakkor que significa Seguidores do Horizonte - aprimoraram suas habilidades já temíveis com uma lâmina em algo sublime. Como guerreiros de elite dos Solari, eles praticam por anos sob as condições mais severas. Acreditam-se abençoados com a força e a virilidade do sol, treinam-se para serem menos suscetíveis ao frio.

Segundo a lenda, os Solari foram formados por um guerreiro que podia invocar o poder bruto do sol sobre seus inimigos em combate. Eles reivindicaram o cume do Monte Targon, o ponto em Runeterra mais próximo do sol, por sua devoção solar, uma tradição que gerações de Solari preservaram até hoje.

Embora mantenham sua reverência, nenhum outro guerreiro possuía os dons do fundador – até Leona, a Alvorada Radiante. Os anciões Solari reivindicaram Leona da tribo Rakkor e ajudaram a focar suas habilidades. Com sua perseguição à herege Diana no pico do Monte Targon, ela foi imbuída de poder aterrorizante e conhecimento esquecido desde as primeiras épocas do mundo. Sua armadura e armas queimaram em cinzas no fogo cósmico e, por sua vez, renasceram como uma armadura ornamentada, um escudo de luz do sol forjado em ouro e uma espada de luz do amanhecer acorrentada.

Escribas e acólitos às vezes passam os meses de inverno abrigados no calor relativo dos templos Solari, realizando rituais divinos para invocar o poder do sol e mapear os movimentos das estrelas. Durante os tempos de conflito, um sacerdote Solari pode meditar no santuário mais distante por semanas sem comida ou água, subsistindo apenas no sustento divino do sol, a fonte de toda a vida.

Já os Lunari, marcados pelos Solari como hereges, adoram a luz prateada da lua. Eles praticam suas crenças em segredo, escondendo-se daqueles que procuram livrar Targon de sua influência para sempre – embora alguns afirmem que, há muito tempo, os dois grupos viviam em paz, adorando os céus como um só povo.

Os Lunari mapeiam os movimentos celestes para adivinhar o futuro. Certas sacerdotisas usam colares de luar espelhados, acreditando que os reflexos podem revelar verdades ainda maiores. Alguns videntes Lunari fecham seus olhos durante o dia, treinando seus olhos para ver apenas na escuridão - pois somente sob a pura luz da lua a verdade é revelada.